Paternidade na era digital

Paternidade na era digitalOs meios e dispositivos digitais não vieram apenas para ficar. Eles são parte integrante do nosso mundo. Usados com moderação e de forma adequada, podem oferecer grandes benefícios. Estudos descobriram que passar um tempo cara a cara com a família, amigos e professores desempenha um papel crítico na promoção do desenvolvimento e aprendizagem saudáveis das crianças. No entanto, é responsabilidade dos pais ajudar os filhos a aprender conceitos saudáveis para um uso adequado e seguro.
Aqui ficam algumas dicas da American Academy of Pediatrics (AAP) para ajudar as famílias a navegar no cenário digital em constante mudança:
  • Crie seu próprio plano para o consumo midiático em família. Isso deve ser feito de acordo com o estilo e os valores dos pais. Quando feito de maneira cuidadosa e adequada, pode melhorar a vida diária. Em vez disso, quando feito no calor do momento, pode substituir atividades importantes, como relacionamentos pessoais, tempo para a família, brincadeiras ao ar livre, exercícios e tempo de lazer para desconectar e dormir.
  • Lide com o mundo da mídia como faria com qualquer outro ambiente na vida. As mesmas diretrizes para os pais se aplicam ao mundo real e ao ambiente virtual. Estabelecer limites. As crianças esperam e precisam deles. Conheça seus amigos, tanto online quanto offline. Descubra mais sobre as plataformas, software e aplicativos que estão usando, os lugares que visitam na web e o queos seus filhos fazem quando estão online.
  • Estabeleça limites e incentive-os a tirar uma folga. O uso da tecnologia, como todas as outras atividades, deve ser razoavelmente limitado. Brincadeiras não estruturadas fora do mundo digital estimulam a criatividade. Promova o tempo livre do dispositivo digital como uma prioridade diária. Partilhe com eles durante o tempo em que não estiverem online.
  • As famílias que brincam juntas aprendem juntas. Isso promove interações sociais, vínculos e aprendizagem. Participe de seus jogos de vídeo. Você vai mostrar a eles um bom espírito desportivo e as regras de etiqueta para jogos. Além disso, pode apresentar e comunicar suas próprias experiências de vida, perspectivas e dicas enquanto joga.
  • Seja um bom exemplo. Ensine e seja um bom exemplo de gentileza e boas maneiras online. Importante: como as crianças são grandes imitadores, limite o uso de dispositivos eletrónicos. Você estará mais disponível e conectado com seus filhos se interagir, se abraçar e brincar com eles, em vez de ficar encantado na frente da tela.
  • Reconheça o valor da comunicação face a face. As crianças mais novas aprendem melhor por meio da comunicação bidirecional. A prática de falar para frente e para trás (reciprocamente) é crítica para o desenvolvimento da linguagem. As conversas podem ser cara a cara, ou até via chat se for viajar ou ir com um avô que mora longe. Estudos têm mostrado que a comunicação bidirecional melhora as habilidades de linguagem muito mais do que a escuta passiva ou a interação na tela unilateral.
  • Crie zonas livres de tecnologia. Mantenha os horários das refeições em família e outras reuniões familiares e sociais livres de tecnologia. Recarregue os aparelhos à noite (importante: fora do quarto da criança para ajudar a evitar a tentação de usá-los quando ela deveria estar dormindo). Essas mudanças convidam você a passar mais tempo com sua família, a hábitos alimentares saudáveis e dormir melhor, entre outros.
  • Não use a tecnologia como suporte emocional. A mídia digital pode ser muito eficaz para manter as crianças calmas e quietas, mas não deve ser a única maneira de aprenderem a se acalmar. Ensine-os a identificar e controlar emoções fortes, a inventar atividades para controlar o tédio, como se acalmar usando técnicas de respiração, falar sobre maneiras de resolver problemas e encontrar outras estratégias para canalizar as emoções.
  • Apps para crianças. Mais de 80.000 aplicativos são rotulados como educacionais, mas poucos estudos revelaram seu valor real. Os produtos promovidos como “interativos” devem exigir mais do que “tocar e tocar no painel de toque”. Confira as opiniões de organizações como a Common Sense Media (produtos de mídia que fazem sentido) – para ler avaliações de aplicativos, jogos e programas apropriados para a idade, para orientá-lo na escolha dos melhores produtos para seus filhos.
  • Avise-os sobre a importância da privacidade e os perigos dos predadores e da prática de “sexting”. Os adolescentes precisam saber que, uma vez que o conteúdo seja partilhado com outras pessoas, eles não poderão excluí-lo ou se livrar dele totalmente. Isso inclui o envio de mensagens de texto com imagens inadequadas. Ensine-os a definir as configurações de privacidade e avise-os de que os predadores sexuais frequentemente usam mídias sociais, salas de bate-papo, e-mails e jogos online para contatar e explorar crianças.
  • Crianças sempre serão crianças e cometerão erros ao usar a mídia digital. Entenda-os com empatia e faça com que o erro se torne uma lição aprendida. No entanto, não perca de vista o fato de que algumas indiscrições, como “sexting”, assédio ou envio de imagens que machuquem a si mesmo, podem ser bandeiras vermelhas que indicam problemas futuros. Se necessário, procure ajuda de um profissional comportamental.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O leite materno de mulheres vacinadas com Astrazeneca, Pfizer e Moderna contém anticorpos contra a Covid-19

Dispositivos eletrónicos e crianças: Nem tão bons, nem tão maus

Hábitos de leitura nas crianças